EDUCAÇÃO MAMÃE E BEBÊ VIDA & BEM ESTAR

COMO EDUCAR AS CRIANÇAS NA ERA CIBERNÉTICA?

Crianças 3

Crianças 2

A psicóloga Isabela Cotian dá dicas para lidar com os pequeninos em um mundo tão digitalizado

Quem é pai ou mãe de crianças nos dias de hoje sabe que elas praticamente já “nascem com o celular nas mãos”. Não à toa muitas delas sabem mexer em aplicativos e funcionalidades dos aparatos eletrônicos mais do que os adultos. Mas qual o ponto limite para que

A psicóloga e coach de mães, Isabela Cotian

A psicóloga e coach de mães, Isabela Cotian

toda essa imersão digital não se torne nociva?

A psicóloga e coach Isabela Cotian, que também é mãe, instiga que os pais recorrem aos celulares, tablets e afins para ter um tempinho “de folga” e conseguirem executar os seus afazeres. “Então, eu sugiro que os pequeninos utilizem essa tecnologia a partir dos dois anos, limitando o tempo entre 15 a 20 minutos, e depois os pais estimulem através de atividades e brincadeiras que gerem conexão com seus filhos, que sejam fora desse universo tecnológico”.

Segundo a especialista, a preocupação está relacionada em como o uso desses dispositivos eletrônicos pode afetar o desenvolvimento cerebral. “Segundo os pesquisadores, a superexposição a tablets e smartphones teria impacto no poder de concentração e atenção das crianças, assim como em áreas aparentemente não conectadas ao assunto. Podemos citar o controle do apetite e do sono, por exemplo”.

Use e abuse da criatividade para que a criança não fique sedentária

De acordo com os dados Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica, a Organização Mundial da Saúde estima que em 2025 mais de 2,3 bilhões de adultos terão sobrepeso e 700 milhões estarão obesos. E o último levantamento oficial do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), realizado em 2009, apontou que 15% das crianças brasileiras já apresentam esse diagnóstico.

Se as crianças de hoje são esses números de amanhã, é importante tomar medidas preventivas desde agora. Isabela ressalta que o uso constante da tecnologia favorece o estilo de vida mais sedentário. “E isso justamente em uma etapa do crescimento em que bebês precisam ser estimulados a explorar o mundo por meio de muita atividade física e brincadeiras, além de usar todos os sentidos do corpo, não só a visão e a audição”.

Para os pais, ela indica o resgate das suas brincadeiras de infância, repassando-as para os pequeninos. “Com essas brincadeiras há uma conexão emocional entre pais e filhos. Os contatos social e emocional sempre serão as melhores opções para o progresso das crianças e devem ser estabelecidos desde sempre, para que elas cresçam priorizando as relações, inclusive as com os pais”.

Crianças 4A coach explica que as brincadeiras e jogos trazem à tona valores essenciais dos seres humanos. “São instrumentos para o desenvolvimento e pontes para diversas aprendizagens, possibilidades de resgate do patrimônio lúdico-cultural nos diferentes contextos socioeconômicos, sementes criativas, instrumentos de inserção em uma sociedade marcada pelo preconceito e pela competição exacerbados, as opções de liderar e ser conduzido, assim como a de falar e de ser ouvido”.

A relação entre a educação e os perigos da internet

Se todos os pais não sabem, ao menos deveriam ter a consciência de que os mesmos perigos que há nas ruas também existem na internet. A questão é que muitas vezes, estando em seus quartos ou na sala, sentadas ao lado no sofá, há uma falsa impressão de que as crianças estejam protegidas. Mas não estão.

A psicóloga lista algumas dicas para que os pais saibam como lidar com essa situação impossível de não ocorrer nessa Era Cibernética:

  •  É preciso estabelecer vínculos, conversar com seus filhos, estarem próximos dos seus interesses e gostos pessoais;
  • Faça um acordo com seus filhos sobre o uso da internet para determinar regras e horários de uso;
  • Use ferramentas de controle parental e mostre interesse nas atividades das crianças na internet. Pergunte o que elas estão fazendo, peça para ver as fotos etc.;
  • Participe das redes sociais (entenda o que elas publicam na internet e com quem conversam);
  • Dê o exemplo e cuide de todo o conteúdo que é consumido nos meios de comunicação por toda a família (televisão, rádio, internet, revistas, livros, entre outros). Não assista, por exemplo, um filme com cenas inadequadas para menores de idade quando o seu filho estiver por perto;
  • Oriente a criança a oferecer o mínimo de informações pessoais nos seus perfis nas mídias sociais e peça para ela não disponibilizar telefones, endereço, nome da escola etc.;
  • Explique para o seu filho que ele não pode compartilhar a sua senha com outras pessoas a não ser os pais e peça para que  aceite como “amigos” apenas pessoas que ele realmente conheça;
  • Conte para os pequeninos que as pessoas nem sempre são o que dizem ser, inclusive na internet e fora dela;
  • Ensine o seu filho a nunca aceitar a se encontrar pessoalmente com uma pessoa que conheceu pela internet;
  • Diga à criança que ao receber e-mails de pessoas desconhecidas e arquivos ou fotos estranhas o correto é enviar direto para a lixeira;
  • Oriente a criança a não colocar fotos inadequadas. As imagens e os vídeos, uma vez publicados, são muito difíceis e até impossíveis de serem deletados, por isso, esclarecer isso é a melhor maneira de evitar problemas posteriores;
  • Estimule que o seu filho conte a você fatos estranhos ou “diferentes” que aconteçam na internet. É muito importante passar essa segurança para que os pequeninos se sintam à vontade diante de qualquer situação em que sentirem ameaças.

Crianças 1A psicóloga realça a relevância do fato da criança saber que está sendo monitorada, porque isso gera uma confiança mútua. “Se existe transparência e conexão emocional entre pais e filhos toda conversa será verdadeira e não será necessário fazer nada escondido. Quando os pais se aproximam da realidade do filho, ou seja, do que ele busca na internet ou nos jogos, fica mais tranquilo entender e conversar sobre limites”.

E continua: “Se quando criança não for desenvolvida a ligação emocional entre pais e filhos, dificilmente existirá confiança na fase da adolescência. A confiança deve ser estabelecida desde quando pequenos”.

Isabela alerta que a modernidade tem afastado as pessoas, as quais mais conversam pelos dispositivos eletrônicos e menos ao vivo, tornando o ser humano mais introspectivo e, às vezes, antissocial. E isso inclui as crianças, que já nascem nesse contexto.

Entretanto, ela destaca que também há pontos positivos em tudo isso. “Existem vários benefícios da ciência e tecnologia, da educação e informação, da cultura e das artes, e também de futuras oportunidades de desenvolvimento que foram sendo incorporadas às famílias por conta da internet, principalmente o acesso às informações, notícias, pesquisas e contato com o mundo”, finaliza.

Crianças DespertarServiço:

Isabela Cotian – Psicóloga e Coach de Mães – www.isabelacotian.com

E-book grátis sobre equilíbrio emocional: vip.isabelacotian.com/inscricao-ebook

 

 

Sobre o Autor

Priscilla Silvestre

Jornalista formada pela Universidade Metodista de São Paulo e Pós-graduanda em Jornalismo Digital, acumula mais de 14 anos de experiência na área. É curiosa por natureza e workaholic por necessidade da profissão. Encara os palcos da vida vestindo os papeis de filha, irmã, mãe, professora de idiomas, assessora de imprensa, redatora de matérias impressas ou on-line para diversas editorias e ainda se pergunta: "Tempo? Quando a gente realmente quer, sempre dá um jeito!".

Deixe um comentário